O Centro Nacional de Artes de Kaohsiung, descrito como o “maior centro de artes cênicas do mundo sob o mesmo teto”, está agora aberto em Taiwan, numa área construída de 141 mil metros quadrados.

Coberto com um teto de 34.843 metros quadrados, o prédio é conhecido popularmente como Weiwuying, mesmo nome do parque no qual foi construído.

Ele contém quatro locais para apresentações no seu interior: uma casa de ópera com 2.236 lugares, uma sala de concertos com 1.981 lugares, uma casa de espetáculos com 1.210 lugares e uma sala de recitações com capacidade para 434 assentos organizados ao redor.

Há também um quinto local para apresentações – o telhado do prédio se inclina para tocar o solo, formando um incrível teatro externo de frente para o parque.

O teto flutuante do edifício é definido pela escala e organização dos quatro auditórios contidos.

“Queríamos desenvolver uma nova tipologia, que aproveitasse o clima, a cultura e o tamanho do programa e do público”, explicou Nuno Gonçalves Fontarra, sócio do escritório de arquitetura holandês Mecanoo.

“A tipologia do edifício é um híbrido entre um único bloco e um complexo de vários locais individuais”.

Os auditórios do centro são todos acessados ​​a partir de um foyer coberto, chamado Banyan Plaza, que percorre todo o entorno do prédio, criando uma área de acesso público para as pessoas se reunirem.

“Todos os locais estão ligados por uma praça pública como aconteceria num complexo de vários edifícios”, explicou Fontarra.

“A diferença, no nosso caso, é que esse espaço é coberto e unificado com uma linguagem contínua. Ele serve como um refúgio protegido do ambiente urbano movimentado, da mesma forma que as pessoas se encontram e reunem-se às sombra das Figueiras no parque.”

A propósito, as árvores Figueiras, que são comumente encontradas na região, foram o ponto de partida para a criação da forma do edifício.

“Um edifício cultural de enorme alcance e prestígio, Weiwuying é baseado conceitualmente na Figueira local, e financiado pela indústria naval local”, disse Francine Houben, sócio fundador e diretor de criação da Mecanoo.

“A Figueira é uma árvore tropical muito grande e marcante na região. Em Kaohsiung, eventos cotidianos, encontros e pic-nics acontecem literalmente embaixo das figueiras”, continuou ela.

“Quando passei algum tempo em Kaohsiung e estudei a forma dessas magníficas árvores, elas revelaram uma linguagem formal que nos deu o tema geral do nosso design.”

“A praça funciona como uma figueira-do-mato, reunindo e abrigando pessoas, ao mesmo tempo em que permite o movimento fácil de entrar e sair”, disse Houben.

“Com suas passarelas e espaços informais, permite que as pessoas façam tudo o que fariam debaixo de uma figueira – até criar performances improvisadas.”

Acima desta praça coberta estão as outras instalações do edifício, incluindo espaços de ensaio e eventos, restaurantes e uma galeria de arte. As áreas técnicas, que servem os teatros, estão localizadas abaixo do foyer.

Cada um dos quatro auditórios tem identidade, layout, acústica e ambiente próprios. “Todos os locais têm funções muito diferentes e isso se materializa em um layout totalmente diferente de assentos e salas”, disse Fontarra.

“A sala de concertos tem um layout de vinha, a casa de ópera é projetada na forma de ferradura historicamente famosa, a casa de espetáculos é totalmente adaptável a uma variedade de layouts.”

Os assentos na sala de concertos e recital são de cor champanhe, enquanto o local da ópera tem assentos vermelhos e o assento do teatro é “Mecanoo blue”.

O Centro Nacional de Artes de Kaohsiung foi construído no local de uma antiga base militar. Faz parte de um parque de 47 hectares recentemente criado, ao lado do atual Parque Metropolitano de Weiwuying, no leste da cidade.

fonte: dezeen