No meio das montanhas da Serra Fluminense, um casal com duas filhas já adultas queria uma casa onde pudesse receber toda a família, sem perder a privacidade. Além disso, por ter na fazenda suas origens, o dono da propriedade preferia algo mais rústico.

A partir dessas diretrizes, o arquiteto Maurício Nóbrega construiu, no terreno de 20 mil m², uma casa de dois andares com materiais naturais em abundância – madeira, tijolo e pedra – e grandes panos de vidro que trouxessem a vista para dentro da residência. No projeto, não há janelas: tudo se abre como porta, para interferir o mínimo possível na paisagem, ela mesma a protagonista.

“Como o morador queria privacidade, deixamos a ‘bagunça’ numa construção anexa”, diz o arquiteto. A piscina tem borda infinita de um lado e invade a sala de estar, de outro. Desta forma, ela passa a integrar os espaços interno e externo. O anexo tem ainda uma sala de refeições com cozinha gourmet e sala de TV, além de sauna e jacuzzi.

A casa principal tem cinco quartos e uma sala de estar com lareira forrada de granito. Para acomodar a família com conforto, a cozinha recebeu uma grande mesa de madeira de demolição.

A casa tem um pátio interno, que pode ser visto de todas as salas e da circulação dos dormitórios, onde foi criado um ambiente de estar ao ar livre com sofá, poltronas e uma mesa de centro com lareira embutida

“Pensamos em fazer o pátio central para aproveitar o espaço externo em noites mais frias. Como o desenho da casa é em U, esta área fica protegida do vento”, explica Maurício.
No subsolo, a adega foi toda revestida de tijolos, com marcenaria feita para receber uma grande quantidade de rótulos e atender aos pré-requisitos de conservação dos vinhos.